quarta-feira, 14 de julho de 2010

TELA DE ARAME

TELA DE ARAME





Da janela do meu quarto
Vendo a chuva deslizar
Pelas cercas do quintal,
Encantei-me com as gotas
Que presas ao arame
Desciam devagar
No zig-zag do traçado.
Fiquei a pensar que algumas pessoas,
Como pingos mais intensos,
Se projetam logo aos seus destinos,
Enquanto outras batalham tanto,
Indo e vindo pelas telas dos seus dias.


Reparei que as gotas em queda certeira
Se perdem sem nitidez...
Como um véu, desaparecem...
Sem paisagem e nem vontade.


Já as outras, bem mais raras,
Traçam luzes prateadas
Nas cercas que antes pareciam apenas
Marcar limites da liberdade.


Então fechei a janela descansada,
Feliz por não ser dessa multidão tão apressada,
Pois, ao invés de ir correndo ao fim dos rumos
O que eu quero de verdade
É encantar-me com as dificuldades
Que me prendem junto às grades
Que, às vezes, margeiam a felicidade.


5 comentários:

  1. OLÁ CARMEM,

    SUA POESIA É EXCELENTE, MAS SUA PECEPÇÃO E CRIATIVIDADE,NESTE CASO FORAM MUITO MELHORES.

    INCRÍVEL COMO OS POETAS TIRAM DO NADA OS CONTEUDOS MAIS INTRESSANTES E RELACIONAM DE FORMA CRIATICA E COMPETENTE , COM O DIA- A- DIA.

    EU ACHO QUE SER POETA É ISSO!

    ESTOU LHE CONVIDANDO, TAMBÉM PARA CONHECER MEU BLOG DE HUMOR:

    “HUMOR EM TEXTO”.

    A CRÔNICA DESTA SEMANA É POLÊMICA, MAS ASOLUTAMENTE APROVADA PELOS QUE JÁ LERAM.

    O SEU COMENTÁRIO É PARTE MAIS IMPORTANTE.

    UM ABRAÇÃO CARIOCA

    ResponderExcluir
  2. Minha Poeta,
    Quero apenas ser uma dessas gotas de sua vida capaz de lhe trazer felicidade.
    Mario

    ResponderExcluir
  3. Olá Carmem, ao ler sua poesia,encontrei um identificação muito grande com o poeta Mario Quintana. Gostei muito!

    ResponderExcluir
  4. As gotas
    Deixam-se cair
    Debruçam sobre mim
    São todas pedacinhos
    Dos teus olhares molhados
    De lágrimas salgadas
    Que os teus olhos
    Deixaram cair
    Sobre o Amor
    Não nosso
    É a ser

    As gotas
    Associam-se à tela
    De um futuro dissonante
    Que ressoa um canto diverso
    De todo esse olhar
    Que é inamorado
    Não é canto
    É um choro
    Lamento
    Triste
    E só...

    ResponderExcluir
  5. Vedo adesso
    Ritorno in cuesti
    Passo che non nè mio
    Ma me pertenesse
    In el escombro
    del nostre giornos
    Sonno esbagliato
    in la mia lácrima
    che no cessa
    piu mai

    ResponderExcluir

Receber um comentário é sempre bem-vindo...Sua participação é importante.