domingo, 27 de fevereiro de 2011

SALTOS

SALTOS





Quando o silêncio
Se desfaz
E, de novo, me convidas a falar
Desejo que minha voz
Se derreta
Em suave passagem
Entre as neves


Quero que cada palavra escorra
Límpida e clara
Como os riachos
Entre as montanhas altas


Só as águas frias
Estremecem as peles...
E só elas seguem puras e vivas...




    Por isso, não uso palavras enfeitadas
Nem enfeitiço minhas mágoas
Não encanto a poesia
Nela, descanso
A minha
Saudade


Assim
Igualmente longe
Um condor leva o silencio
Aos penhascos escarpados


A brutalidade é meiga
Quando a solidão compreende seu grito
No encontro das pedras com as cachoeiras....

Saltos de Petrohuè
Um dos lugares mais belos do mundo


2 comentários:

  1. Vagabundando pelos Blogs da vida, vim parar aqui e de beleza me alimentar. Li alguns Poemas e gostei de todos inclusive os que você fêz com a amiga. Usas imagens bárbaras para descrever o que os olhos vêm mas nem prestam atenção. Adorei nas minhas andanças de hoje, dar neste costado.Voltarei certamente.

    ResponderExcluir

Receber um comentário é sempre bem-vindo...Sua participação é importante.