quarta-feira, 9 de novembro de 2011

INACABADA

INACABADA


Há muita coisa inacabada dentro de mim, e você é uma delas.
Na geografia desse mapa, faltam as nuvens altas, e relevos.
E aqui dentro, nesta história...
Falta a loucura de um quase-romance.

Momentos que se perde a cabeça deixam seus muitos traçados...
Linhas sem definição de olhares improvisados!
Mares a gritar sem terem seu unguento.
Toda essa calma a mudar minhas ideias, te confesso; não aguento!

Não há vento que seja metódico!
Não há beijo com planejamento...
Não há vida, quando é o personagem quem nos altera e,
Como montanhas altas da lembrança do descontentamento!


Não há tempo que adapte mudanças que não deixam repensar teus traços.
Registre esse fato amor: nuvens altas, precipícios das incertezas...
Há muita coisa inacabada me deixando assim e,
O que farei sem teu abraço



Carmem Teresa Elias e De Magela

3 comentários:

  1. Nossa! Que encanto!
    Amada, sinceramente, sempre fico sem palavras diante da emoção e da profundidade dos teus versos, tanto quando só escritos por você, ou quando faz par com De Magela.
    Vocês dois são pura perfeição na magia do versejar!
    Aplausos mil aos dois!!!

    Carinhos de flor.
    Beijos de Luz e Paz

    ResponderExcluir

  2. Hola Carmen; primero quiero darte las gracias por tú paso por uno de mis blogs, algo que me ha colmado de alegría, además por otra parte somos tocayas.

    Y segundo decirte que es un gusto leer tú poesía!!

    No hay viento que sea metodico
    ni beso planificado...

    Si fuese todo lo contrario la vida ya no tendria un aparente sentido dentro de una rutina diaria, para mi al menos.

    Un beso y una rosa del color de los sentimientos aquellos que luchan por acariciar el firmamento...

    María del Carmen

    ResponderExcluir

Receber um comentário é sempre bem-vindo...Sua participação é importante.