quarta-feira, 26 de outubro de 2011

ESCREVER É UMA ILUSÃO! UM FILME QUE O CORAÇÃO ASSISTE...



Ah! Lembraste de mim...!

E minhas lembranças somam-se às tuas.
Deste elo que sai por metáforas...
Das frases curtas de poesias com perdão.


Escrever é uma ilusão! Como um filme que meu coração assiste...
Quando das formas eruditas, se extrai a película.
Teu rosto faz as melhores cenas...
Tua alma não nega, mesmo em fantasia, mais esse abraço.


Mas o teu olhar não é um filme que se escreve!
Quem sabe sem essa platéia solitária da minha ilusão...!
Deste cinema mudo: Chaplin, música e do lirismo que está meu coração...


Em meio às contas, cedo o tempo para de ti estar perto...
Com a ilusão que se dá ao perdão e a fantasia! Memória sem cansaço!
É nesta página branca do amor e de poesia, que te deposito o meu abraço.






De Carmem Teresa Elias e De Magela

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

FLORES AO CHÃO



Flores ao chão





As flores caíram ao chão...
A dor que veio não foi porque se despedaçaram.
Não foi porque foram apartadas do seu porto seguro...
E pelo que foi feito de suas cores.


Foi porque traziam a lembrança do teu amor!
Aquele amor que se vestia de espinhos na primavera
Cujo fruto amadurecido alimentava tantos sonhos
De minha quimera.






Flores também são livros...
Por elas conseguimos ler o que vai ao coração de alguém.
São mensagens refletidas em meio ao nada
A consagrar o carinho que se tem.


Busquei juntá-las em outro vaso...
Desta vez reguei com lágrimas...
Só lágrimas abrem as portas da verdade
Só com lagrimas se corrige a natureza humana.

Carmem Teresa Elias e De Magela
VB03/2011

SÓ QUANDO

Só quando...




Só quando...

De uma forma extraordinária
Uma pomba perguntou do meu amor...
O amor pode ser uma teoria,
Um bramido ou uma nova dor.


O universo é feito de pequeninas partículas,
Do motor perpétuo de coisas não cientificas
Impulsionadas apenas por uma única energia...
Ela estremeceu.


Muitas ciências existem para decifrar isso, tendo apenas nas mãos
Lápis e um pequeno papel rasgado.
No horizonte de muitas sabedorias morais e dos conceitos
Que sempre se coloca de lado.


Poderá você me ensinar a amar...?!
Filosofia quântica tenho para explicar...
Mas a vida me deu apena uma resposta:
Só aprendemos a amar, quando aprendemos a cantar!






De Magela e Carmem Teresa Elias

VB O2/2011

DISCREPÂNCIA

Discrepância





Em minha cabeça não cabem essas estórias...
Só passa um rio que derrama pela boca,
deixando a secura de não conceber o mar!
E comparado a você sou pobre.


Não falo da pobreza que tem o desejo de aprender com a paixão...!
Nem entendo a linguagem de seus beijos...
A tradução que essa fascinação causa  não tem humanidade!
Não recebo o convite do seu olhar e tudo soa tão mal...


Por isso, só bebo a discrepância da sua ausência.
Água fria derramando que não chega à boca...!
Defeito de quem ama e, é absorvido pelo drama.


Ando nu: pobreza dos poços que se fecham sem rios!
História a se conter, palavras que rimo sem lhe dizer.
Que esta é minha tristeza, sem margem e sem final.




De Magela e Carmem Teresa Elias

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

LEVEZA

É MA BELEZA DA ALMA
QUE SE MANIFESTA A LUZ MAIS INTENSA.

Carmem Teresa Elias

É NA BELEZA DA ALMA QUE SE MANIFESTA A LUZ MAIS INTENSA

(Carmem Teresa Elias)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

MENINA COLORIDA

Às crianças desse Brasil, do mundo e em todos nós


Mãozinhas coloridas
De menina
Maneira mais linda
De se fazer fantasia


Mãozinhas coloridas
De menina
Toque mais puro
A inventar travessuras

Sorriso aberto
Na menina
Maneira mais linda
De colorir a vida


Sorriso colorido
De pura fantasia
Travessura mais viva
A alegrar a linda menina

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

MENU



Pranzerò e, oggi è giorno caldo.

Presto chiederò un'ode alle parole frementi
Affinchè essere capite possano
Quando al tempo saranno servite.


Per il dessert : un sorbetto con gusto di nostalgia
La stessa nostalgia di freddo e ghiaccio...
La stessa sensazione...
Di quando m'hai detto addio e sei partito.


Forse qualsiasi cosa di così freddo doveva venire insieme a qualcosa di bollente
Ma io mi servirò di tuo calore con pianto freddo:
Ciliegie sole addolcite all'amaro.
Ancora una volta il gusto lasciato al tramonto dell'amore!


Oggi fa il caldo delle parole inghiottite senza addio
Parole bevute alla folia e temperatura ambiente!
Quando delle lacrime se aspira una vita piena di illusioni
Rimane in bocca il gusto sentito delle scelte.




                         DE MAGELA E CARMEM TERESA ELIAS


                        Versão para o italiano por Carmem Teresa

CARDÁPIO

CARDÁPIO








Vou almoçar e, hoje o dia está quente.
Logo pedirei uma ode às palavras frementes.
Para que sejam entendidas
Quando servidas ao tempo.


De sobremesa: um sorvete com versos de saudade.
A mesma saudade fria e gelada...
A mesma sensação...
Que ficou quando disseste adeus e partiste.


Talvez algo tão gelado mereça estar acompanhado de algo fervente,
Mas servir-me-ei de teu calor com um pranto frio,
Simplesmente cerejas adocicadas no amargor.
Repetindo o sabor que ficou do amor quando a noite caiu!


Hoje o dia está quente pelas palavras engolidas sem despedida.
Bebidas ao desatino e à temperatura ambiente!
Quando a vida é de lágrima sorvida, e cheia de ilusões...
O paladar dá um tempo pelas escolhas sentidas






CARMEM TERESA ELIAS E DE MAGELA

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

PRESENZA



Non c’è solitudine in mare

Neppure c’è il buio nella notte



Ci sono le stelle e delle parole
che brillano argentee _
E comme sono cosi più numerose!
Come più permanenti
Della nudità sola e ardente del giorno


 Ci sono parole
Che imitano il gonfiarsi del mare
Per non lasciarci mai dimenticare
Le voci che sono morte nel mare
Le voci che sono morte nella notte



 Ma non c’è solitudine in mare
Neppure c’è il buio nella notte



 Solo la Presenza é sentita lá
Tranquilla ed intensa
Piena
Al di là di me
Nel silenzio d'oro dell'anima
Che brilla senza parole.


Solo la Presenza è sentita
Sopra la solitudine del mare
E il buio della notte.