sábado, 29 de setembro de 2012

FRAGRÂNCIAS E TEMPORAIS


O Tempo se dissolve :

Fragrância no ar

Brisa calma

Tempo de memoria

Tempo de perfume de outrora

 

O Tempo se dissolve:

Frasco  vazio

Esvai-se o éter

Sobra Presente

Como se fosse Temporal
 
 
 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

ANOITECER


 
Queria chegar a você
Como a noite chega a Deus
_ humilde e silenciosa
Como quem carrega nos braços o segredo da paz_
Então a noite pede...pede para que se acendam luzes
Para que se criem estrelas
Dar ao branco das nuvens
As núpcias vermelhas do crepúsculo
E ao azul  raso de céu
O mergulho no tom íntimo mais escuro

 
Porque a noite e você
Foram feitos para amar e sonhar

 
E a minha poesia
Que em breve, muito breve, dormirá,
Sabe que é só uma palavra
Que humildemente pede a Deus
O segredo de chegar a  você.



segunda-feira, 17 de setembro de 2012

CRÍVEL





 
Não mais se fará o recordar
Do que fora em nós dois um  íntegro coração
Porém, apaziguemo-nos...

 
Havemos nos aprimorado na arte de partir bonito :
Quando a incisão lenta da dor
Vai  fatiando veio a veio  a força e a firmeza do amor.

 
Nessa hora afiada do corte  
Descobre-se que das partes que sobram de um coração
Não são servidas como sementes
Nem são servidas  como sonhos

 
Dar ao tempo o tempo que ele rouba das coisas !! ...
Grande alívio ...
Havemos nos aperfeiçoado na arte de partir bonito
Apaziguemo-nos, na incisão lenta da dor !!

 
O tempo de partir é o que dá formas ao sempre
Contudo, não mais se fará o recordar
Solidão ? !
Dor é quando  o  coração Vazio , no  amor continua crível!!
 
 
CARMEM TERESA ELIAS

 

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

VERSO QUEBRADO



Vou fechar-me num verso quebrado...!
Tirarei da análise um termo inventado.
Pegarei palavras finais de outro poema,
E direi bem alto que você é o tema.

Mesmo que para isso, precise entender seu lirismo.
Precise entender os detalhes que escondeu...
Da dor que fica sozinha morrendo
Na saudade que nasceu.

Conforta-me a brisa inquieta...
A que anda pelo mundo nas horas incertas
Dizendo que o amor é mais fecundo
Para quem deixa a porta aberta.

Mas teu amor vem aos poucos...
Por tudo se mantém guardado.
Fecha-se no entardecer morrendo...

E entre palavras e sentimentos
Os versos ficam quebrados.


 
     ( Um era só palavras. O outro era só sentimentos. Resolveram inverter. Deu no que deu.)

De Magela e Carmem Teresa Elias

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

AMOR PERFEITO




 
 
Uma composição poética  :
Primeiro texto por Carmem Teresa Elias
Segundo, uma interação poética de Walter de Arruda.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

AO POETA FERREIRA GULLAR


 

 
HOMENAGEM A FERREIRA GULLAR

 

É preciso

Sujar-se de mundo

Para saber dizer

Quão vivo ainda se está

E ser capaz de achar

Alguma poesia

No submundo que é a morte de um filho

 

Ao invés de chorar e calar,

É preciso perdoar a palavras

Porque elas não levam ao exílio concreto

A que um país pode enterrar seus filhos

E nem torturam,  como a morte tortura de ausência

O pai que dá adeus ao seu filho.

 

Acontece que, uma vez sujo de vida e de mundo,

Aprende-se a perdoar a própria poesia

E, ao invés de chorar ou calar,

Ergue-se o  homem com ela

Para dizer que nesse mundo sujo

Só ela é capaz de viver e perdoar.

 CARMEM TERESA ELIAS

UM RUBI NO UMBIGO

Homenagem a Ferreira Gullar
                                            ( aniversario em 10 de setembro)




 

Ama as Terezinhas...

E Consola-se por escrever.

Contradição: finos tratos, talvez.

Talvez haja palavras que se possa converter para entender.

 

Poço acima do chão...

Assassinato, proletariado e policia.

Luta corporal é o galo que vence,

Novamente em brigas do bem contra o mal.

 

Osíris come flores no Rio...

Horário apertado mesmo assim alguém sempre se encanta

Se o pensamento vem claro...

Descomplicado, feito criança.

 

Discussão inútil!

Discutir com a literatura!

Discordância concreta, experiência fenomenológica...

Só a causar mais uma ruptura.

 

Quem escondeu a cultura posta em questão,

Absurdo da experiência e do experimentalismo?!

Quem matou Aparecida?

Por que querem sufocar Terezinhas em meu coração?!



 De Magela e Carmem Teresa Elias

POEMA LONDRINO

Em homenagem aos nossos atletas vitoriosos nas Paralimpíadas e, principalmente, na vida.


Começam novamente certas olimpíadas...

Ânimo aos atletas!

Bom desempenho...

Velocidade, honestidade, concentração e força.

 

Maratona...com que rapidez se compõe um verso?

Exaustão de palavras leva certos sentimentos...

Sentimentos sempre correm apressados,

Qualquer que seja o percurso, dores e incertezas, para todos os lados.

 

Maratonas pelas ruas metropolitanas...!

Amor, saudade, sonhos e desenganos tentam vencer a corrida...!

O silencio erguendo fortalezas a cada passagem,

Frio sem poesia sem qualquer imagem.

 

Qual será a linha de chegada que o desejo tenta alcançar?

O que será que a esta altura, o amor e a saudade irão inventar?!

Quais desenganos se colocam junto à garoa vencida

Se na rapidez que se compõe o verso se faz uma vida?!


De Magela e Carmem Teresa Elias

  
                                                                   ( Em memoria de PRT e o  seu trabalho com paraplégicos)

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

EU SOU SETEMBRO




Naquele jardim repleto de flores,

Havia uma flor que, de retraída,

Exibia a extravagância de ficar na solidão...

Para as outras, aquilo não passava de traição.

 

Porque são as flores que colorem as casas...

E as casas se igualam aos corações:

Corações colorem a vida,

Mesmo quando não há guarida.

 

E as outras todas felizes...

Esperam na primavera o momento por serem colhidas:

Casamento, batizado, festas,

E pelo aniversario de outra flor mais querida.

 

Mas, daquela singela flor ninguém se lembra...

Não há amigos para almoçar, não há roupas novas.

Não há doces e sorrisos trigueiros a bailar pelo salão

Há apenas uma lembrança: eu sou setembro de coração!

 

DM/CTE.