quarta-feira, 15 de maio de 2013

As Lágrimas de Maria


As lágrimas de Maria

 

 Postaram-se em capela fria...

 A família, o silêncio e alguns vitrais.

 Diante daquele colorido e da introspecção para quem quiser:

 Jardins celestes; rosas; a revelação do Espírito Santo e, fé.

 

 Que a menina, ao pai perguntou:

 Como faço para rezar?

 Queria ver as lágrimas de Maria...

 E com respeito, tocar em suas mãos.

 E, disse o velho pelo sussurro:

 Estas contas que carrego em minhas mãos, são na verdade o pranto de Nossa Senhora, quando aflita, pelos caminhos sem desterros procurava o filho seu. Tendo no coração a dor que só Deus consola.

 

 Muitos chamam rosário...

 Muitos chamam de prece aos arrependimentos...

 Muitos o chamam de caminhos das almas.

 E, muitos são os entendimentos.

 

 O que sei, é que aqui viemos em paz.

 Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!

 Dores compactadas em três glórias-ao-pai...

 Suplicantes em uma Salve-Rainha.

 

 Na vida há muitos mistérios...

 Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:

 Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...

 Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.

 

 A menina calou-se.

 Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.

 Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,

 Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.

                       Roma Magela e Carmem Teresa EliasMuitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.
E, disse o velho pelo sussurro:
Estas contas que carrego em minhas mãos, são na verdade o pranto de Nossa Senhora, quando aflita, pelos caminhos sem desterros procurava o filho seu. Tendo no coração a dor que só Deus consola.


Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.
E, disse o velho pelo sussurro:
Estas contas que carrego em minhas mãos, são na verdade o pranto de Nossa Senhora, quando aflita, pelos caminhos sem desterros procurava o filho seu. Tendo no coração a dor que só Deus consola.


Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.
E, disse o velho pelo sussurro:
Estas contas que carrego em minhas mãos, são na verdade o pranto de Nossa Senhora, quando aflita, pelos caminhos sem desterros procurava o filho seu. Tendo no coração a dor que só Deus consola.


Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.
E, disse o velho pelo sussurro:
Estas contas que carrego em minhas mãos, são na verdade o pranto de Nossa Senhora, quando aflita, pelos caminhos sem desterros procurava o filho seu. Tendo no coração a dor que só Deus consola.


Muitos chamam rosário...
Muitos chamam de prece aos arrependimentos...
Muitos o chamam de caminhos das almas.
E, muitos são os entendimentos.


O que sei, é que aqui viemos em paz.
Corações aflitos por cinqüenta ave-marias!
Dores compactadas em três glórias-ao-pai...
Suplicantes em uma Salve-Rainha.


Na vida há muitos mistérios...
Para que sejam esclarecidos juntando em contas, os pretos velhos:
Orações, miçangas, lágrimas de quem o fizer...
Com cruz de arruda, canudo de pito e guiné.


A menina calou-se.
Seus olhos eram os olhos do mar à noite: calmos e perdidos.
Na explicação farta daquelas palavras, meio que agradecendo,
Seu coração foi tecendo novas verdades e outros pedidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receber um comentário é sempre bem-vindo...Sua participação é importante.