domingo, 18 de julho de 2010

ESSE MAR QUE ME BANHA






Esse mar
Que me banha e me salga
Não é mais só o meu...

Vem de longe...
Trazendo talvez uma lágrima
Um sorriso... um poema...
Vidas e segredos de alguma outra praia.

Vem me banhar
Da solidão despovoada das ilhas
Da angústia das almas náufragas na vida
Da mágoa da ostra por sua pérola ferida...




Vem de longe
De um passado anterior a mim
Vem me banhar
Da memória molhada do Tempo




Vem me trazendo a vida
Em suas ondas como quanta
Buscando meu toque, meu olhar,
Para a outras praias também me levar.




Essa história imensa me abarca
Um infinito clama por minha alma
E meu sonho se desfaz em grão de areia...

(IMAGENS GOOGLE)

3 comentários:

  1. Esse seu texto é dos meus favoritos....
    Ignez

    ResponderExcluir
  2. É possível imaginar que estava certo Jung, reproduzindo os alquimistas medievais, em seu conceito de "unus mundus", essa unidade transcendente que nos liga a todos os elementos do universo. Magnífica retomada do tema, principalmente, em "memória molhada do Tempo."
    Eliane F.C.Lima

    ResponderExcluir
  3. Venho
    De outro universo
    Cantando tuas canções
    Que ainda não conheces...

    Sou
    De uma praia
    Onde a areia é água
    E a água é o quanta sereno
    Onde vivo meu sonho...

    Vivo
    Dos teus sonhos
    E sou feito de tua argyla
    E quando nossas mãos se tocarem
    Um eclipse será inevitável
    Choque de praias
    Beijos de luzes
    Mundos e Amor
    Eternidade...

    ResponderExcluir

Receber um comentário é sempre bem-vindo...Sua participação é importante.